Bonança

Eu adoraria escrever algo diferente no diário hoje, mas o dia é de bonança. Uma calmaria total. A Filhota passou o dia na base do come-dorme-brinca-come-dorme-brinca, e euzinha sem nenhum sintoma. Nadica de nada.

Respirar e repetir: uma dia a mais é um dia a menos.

Ontem, trocando e-mails com a Carlota Kuny lá no Brasil, falamos sobre algo que me deixou preocupada: se a nenê nascer tão grande quanto a estimativa de terça passada, simplesmente METADE do guarda-roupa dela vai ser engavetada. Eu já sei que as roupinhas RN vão ficar só na memória e em algumas fotos que tirarei delas, mas eu tinha a esperança que as P seriam usadas por uns 2 ou 3 meses. O por quê da preocupação? É que na Coreia (já seguindo a reforma ortográfica – blargh!) os bebês não saem de casa antes dos 100 dias (links para o post que escrevi sobre isso aqui e aqui), e portanto não quase não se acha roupinhas de bebê. E quando se acha, elas são pavorosamente rosas e caríssimas.

Bom, aí vem o Papai do Céu que nunca deixa a gente na mão! O Peter, meu ex-diretor, avisa o Rê que a Kirsten (sua esposa que acabou de ter gêmeos) recebeu 4 sacos de roupas novas e semi-novas de uma outra expatriada que “fechou a lojinha”. Como eles já tinham duas filhas e milhares de coisas, ela logo pensou em mim. À tarde, a Kirsten bate à minha porta com aqueles sacos enormes para que eu escolhesse o que quisesse, e o resto vai para a caridade ou para mais alguém que precisar. Passei a tarde no meio de várias pilhas de roupas, e consegui montar um outro guarda-roupa prá filhota! Até um esquentador de mamadeira eu ganhei!

Tudo que estava na sacola era da Gerber, Carters, GAP, Old Navy, Tommy Hilfiger, Classic Pooh e outras grifes dos EUA. Calculando por baixo, a pilha vale algo por volta dos US$ 700. Muito dinheiro.

Isso é uma coisa bem legal entre as gringas, que eu nunca vi no Brasil. Existe o hábito de passar para a próxima da fila tanto as roupas de gestante quanto as roupinhas de bebê. Isso também vale para carrinhos, móveis, brinquedos. E o passa-passa continua, até que a coisa não esteja mais em condições de ser usada. Nessa brincadeira de passa-passa, já ganhamos um carregador Baby Bjorn, um trocador, um bebê-conforto, uma bomba elétrica para extração de leite, um móbile eletrônico, muitos cobertores, muitos cueiros, e muitas, muitas roupas. Para meu uso, ganhei jeans da GAP e Old Navy, e um casaco de lã da GAP que me salvou nesse inverno – era a única coisa que me servia. As roupas de gestante já têm destino certo, e assim uma vai ajudando a outra.

No Brasil nunca vi isso acontecer, ou nunca fiquei sabendo. Será que é porque as pessoas se ofendem de ganhar e usar coisas de segunda mão, mesmo que praticamente novas? Como passei uma boa parte da minha infância e adolescência usando coisas herdadas, eu não tenho problema nenhum com isso!

Gostei do esquema, e pretendo fazer o mesmo! Se houver alguém que já quiser pegar uma senha, é só falar!

Published in: on janeiro 15, 2009 at 6:50 pm  Comments (11)  

The URI to TrackBack this entry is: https://selmafelice.wordpress.com/2009/01/15/bonanca/trackback/

RSS feed for comments on this post.

11 ComentáriosDeixe um comentário

  1. Sel, estamos aqui na expectativa! Minha mãe e Camila perguntam todos os dias se há novidades.

    Com relação às “doações”, se for para entrar na fila eu sou a primeira!…rs… Não tenho nenhum problema com “coisas de segunda mão”, tanto para mim como para o baby. Uma amiga aqui da GM já me deu uma calça que vai ser bem útil até o final.

    Beijos e fiquem com Deus! Estamos rezando por vocês!!!

  2. Selma,

    eu sei que as meninas em Compras fizeram troca troca de roupas de gestante. E comigo eu ganhei coisas de outros bebes e tambem recebi emprestimos, é ótimo.
    Mas acho que devemos incutir mais esta cultura, eu já estou passando as roupas RN da Ana Clara para duas outras futuras mamães.

  3. O que acontece no Brasil Selma é que existe muitas “culturas” dentro de uma so.
    Aqui eu num conhecia quase ninguem entao nem teve jeito de fazer o troca troca… coisa que se estivesse no Brasil seria feito na certa.

    Beijosss

  4. Oi! Passei para ver se havia novidades, estamos na torcida!🙂 Besitos

  5. estou muito feliz pois sei que vc esta calma a esperar e nao tem mais nada a fazer que esperar ate que ela queira sair, mas deve estar muito bom dentro dessa barriga.
    bjus

  6. Oi Selma!
    Eu tambem entrei nessa de herdar coisas dos amigos quando tivemos o Gi e foi otimo, nao precisamos comprar cadeirao, cercadinho, muitos brinquedos e roupas, cobertores… Eu achei super legal porque nos da’ uma BAITA ajuda, e ainda por cima reciclamos!!
    Estamos ansiosos tambem pela chegada da pequena mas tudo tem seu tempo e isso eles nos ensinam bem!!
    beijos e fiquem com Deus

  7. … somente passando para verificar se tem novidades na area … 🙂

  8. Fiota,o seu caso é parecido, com a Ivone, prima e tambem com a porpetinha,Ivone: de dois em dois dias no médico,eliminou a agua sem perceber, como se fosse urina e qdo o medico percebeu, correu ao hospital, a mariana estava grudada na placenta, fique esperta.

  9. Selma,
    o Matheus ganhou roupas do filho da minha prima que é 1 ano mais velho até os 6 anos.
    E era tudo roupa de grife.
    Isso é normal, e a gente economiza prá caramba…hehehe

  10. Bom, eu sei que minha irmã ganhou muuita coisa, tudo ‘segunda mão’ mas praticamente novo. Roupas, carrinho, moisés, etc. E sim, aqui no Brasil. Não sei se isso acontece em outras famílias, mas aqui na minha família sempre tivemos isso o.O Eu não acho nem um pouco estranho. Aliás, mês passado chegou minha irmã com sacolas de roupa pra eu ver o que queria porque não servia mais nela ou ela usou uma,d uas vezes mas não quis mais. LOL

    Boa semana! ^^

  11. É isso aí, Selma. Tb. ganhei muita roupa de amigos quando tinha filhos pequenos e morava na França.
    Gosto desse sentimento de solidariedade.
    Mudando de assunto, achei importante o comentário que vc. deixou no blog de Denise sobre o ato de amamentar na Coreia (tb. estou tentando me adaptar à nova ortografia1). Quer dizer que, se ninguém ajudá-las a obter um pouco mais de informação, elas só farão isso enquanto companhias como a Nestlé não lhes venderem leite barato.
    Dê uma olhada no link de EcoDebate que deixei lá, tá?
    Bjs. e tudo de bom pra vc e os seus.
    Maristela


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: